jusbrasil.com.br
27 de Julho de 2021
    Adicione tópicos

    Mulher é condenada por tráfico privilegiado

    Wagner Brasil, Advogado
    Publicado por Wagner Brasil
    há 2 meses

    Se gostar dessa notícia, siga este canal e minhas redes sociais para ter acesso a mais conteúdos sobre Direito Penal e Direito Eleitoral.

    Site: https://www.wagnerbrasil.adv.br/

    Facebook: https://www.facebook.com/wagnerbrasil.adv

    Instagram: https://www.instagram.com/wagnerbrasil.adv

    Linkedin: https://www.linkedin.com/in/wagner-brasil-1459581bb/


    PIB 2019 Por que o trfico de drogas entra no clculo do indicador europeu e como essa conta poderia inflar o indicador brasileiro - BBC News Brasil

    A 1ª Vara Criminal da Comarca de Rio Branco condenou uma mulher pela prática de tráfico privilegiado, crime ao qual é aplicável uma diminuição especial de pena, a qual só é concedida, no entanto, a réus primários, de bons antecedentes, que não pratiquem crimes de forma habitual, nem integrem organizações criminosas.

    A sentença, do juiz de Direito Danniel Bomfim, publicada na edição nº 6.842 do Diário da Justiça eletrônico (DJe, pág. 24), desta segunda-feira, 31, considerou que a acusada preenche todas as condições para que lhe seja concedido o benefício previsto na Lei Antidrogas.

    Entenda o caso

    A ré foi presa por agentes da Polícia Federal, no Aeroporto Internacional de Rio Branco, momentos antes de embarcar com cocaína rumo à Capital de outro estado. Ela confessou o delito de tráfico e informou que serviria como ‘mula’, devendo receber, em troca, R$ 2 mil.

    A acusada alegou ainda que tem um filho de cinco anos e a mãe, que dependem dela financeiramente, e que aceitou a proposta feita por um desconhecido para transportar uma encomenda, por desespero.

    Sentença

    O juiz de Direito Danniel Bomfim, ao julgar o caso, considerou suficientemente comprovadas a materialidade (existência de provas materiais) e a autoria do crime de tráfico privilegiado.

    Considerando a primariedade, bons antecedentes, bem como a falta de elementos que comprovem que a ré retire seu sustento do crime, o magistrado reduziu a pena final pela metade e condenou a acusada a 2 anos de prisão, em regime aberto.

    A pena privativa de liberdade foi, por fim, convertida na prestação de serviços comunitários, por igual período, em entidade ainda a ser indicada pela Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas da Comarca de Rio Branco.

    Fonte: Tribunal de Justiça do Acre


    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)